Chocada!

O resto do mundo não entende a dimensão da nossa cultura. Muitos acham que brasileiro é sinônimo de vulgaridade. Não é incomum ver um americano, ou europeu, tentando apertar a bunda (ou partes piores) de uma mulata vestida para o Carnaval. O que eles acham é que por estarem quase nuas, tudo é permitido. Eu mesma já vi num daqueles Galas Gay pela televisão, um gordo safado apertando os mamilos de uma menina (loura, antes que me perguntem) porque ela estava de top less. A menina sorriu amarelo e cobriu os peitos.

Será que poderia ter sido evitado? A síndrome do lost in translation é parte da vida de um expatriado. O gordo safado só conhece os strip-clubs de onde veio. Meninas siliconadas que NÃO deixam ninguém tocá-las. Por que é então, que ele acha que pode tocar em uma menina semi-nua de outro país? Cresceram ouvindo que não existe pecado abaixo da linha do equador? Talvez.

A menina talvez nunca tenha imaginado que alguém ía tocar nos peitos dela, assim, no meio de uma festa de travestis e drag-queens. Pode ser. No entanto eu mesma já fui vítima de mãos bobas em lugares cheios de gente. E tenho certeza de que não tinha nenhum estrangeiro.

Então a conclusão da minha dissertação é a seguinte: Homem é tudo palhaço!

Pra coroar este post, entro com o link do Arnold Schw*.negger no Rio lá pros anos 80. Começou com ele apertando as bundas das mulatas e depois fazendo as vezes do sexo oral com uma cenoura. Ahhh, como vou ter spam depois desse post!

E pra guardar para a posteridade: quando eu estava na terceira série (7 anos?) um garoto da minha classe passou-me a mão na hora do recreio. Somente no final do dia, quando todo mundo já tinha ído embora, que tive coragem de contar pra professora. Sabe o que ela me disse? “Se você não me contou antes é porque gostou!”. Fui embora, novamente, chocada.