Só pra dizer que ainda estou viva…

Thomas melhorou no final de semana passada e essa semana já foi pra escola normalmente. Aparentemente ele tem feito um progresso muito grande em lidar com as crianças mais velhas. O Thomas, apesar de ter feito 4 anos no final de outubro, está na turma do Pre-K que é reservado pra crianças que fizeram 4 anos até o final de agosto. Isso quer dizer que é a criança mais nova da classe e que muitos já estão fazendo 5 anos. O motivo dele ter sido passado pra turma mais adiantada? Ele estava muito entediado na turminha mais nova, onde ele era o mais velho. Meu próximo filho terá que nascer no primeiro semestre pra evitar essas confusões.

A professora da turminha mais nova se divertia quando ele dava aula pras criancinhas de 2/3 anos, como por exemplo números e cores em espanhol. É que ele já estava careca de saber essas coisas em inglês e o espanhol (fora a linguagem de sinais que eles também ensinam) foi uma das coisas que manteve a cabecinha dele a mil.

Agora na turminha mais velha com crianças de 4/5 anos não está sendo muito diferente. Quando teve a transição no ano passado, todo mundo ficou surpreso como ele sem cerimônia nenhuma se adaptou prontamente à turma nova. E achávamos que, por ele ser o mais novo, teria maiores dificuldades com um aprendizado mais puxado. Mas as professoras “dividiram” a turma em 4 partes, e o Thomas está na segunda parte, sendo a primeira a que tem a maior desenvoltura com letras e números. Só está faltando o último fio pra ele fazer a conexão entre sílabas e sons, mas se mostra interessado em querer saber como as palavras são formadas e me questiona exaustivamente para soletrar tudo o que vem na mente dele.

Se o avanço acadêmio esta indo de vendo em popa, o emocional ainda era claramente de uma criança mais nova. As professoras disseram que quando as crianças mais velhas o chamavam de algum apelido, ele chorava muito, talvez pra chamar a atenção das “tias” que prontamente colocava o perturbadorzinho pra “pensar” na “cadeira da paz”. Mas alguma coisa clicou na cabeça dele há algumas semanas atrás e quando uma criança o chamou de “perdedor”, ele simplesmente, e cheio de si, respondeu: “Acho que você precisa ir sentar na cadeira da paz”. E foi brincar em outro canto.

E eu, estou na minha última semana de aula do período do inverno. Só tenho mais duas provas e depois ficarei duas semanas de papo pro ar até o próximo período começar. No mais, segunda -feira serei iniciada na Sociedade de Honra que eu mencionei há ums meses atrás e serei forçada a me emperequetar pra ir nessa cerimônia na própria faculdade. Ainda bem que minha amiga Rebecca vai comigo ficar lá na frente de todo mundo acendendo a “Vela do Conhecimento”. Vou pedir pro Robert tirar fotos.

E o próximo ano, a começar em junho de 2007, será cheio de surpresas academicamente. Muitas só vou falar aqui depois que acontecerem, pra não dar azar . Mas vai ser um ano doido, corrido, cheio de decisões importantes pra fazer, mas espero que tudo corra bem do jeito que estou planejando. Se não sair do jeito que eu quero, não tem problema, tem sempre o ano seguinte! E por causa disso, já estou pensando em ter um segundo filho no meio do ano que vem, porque pelo jeito, vai ser minhas últimas férias prolongadas por um booooom tempo. Isso quer dizer que tenho que engravidar lá pra setembro/outubro. E isso também quer dizer que quando eu for pro Brasil em dezembro pro natal, eu vou estar um nojo.