She eats food

Ontem foi o chá do dia das mães na escola do Thomas. Cada aluno fez um presente personalizado pra sua respectiva mamãe – o meu foi um porta retratos que ele mesmo decorou – e um “diploma” laminado também feio à mão e que foi lido em voz alta por cada um deles.

Chega a vez do Thomas. Ele vai pra frente de todo mundo ainda bebericando o chá e começa a ler:

“O nome da minha mãe é Mamãe, ela tem 31 anos, olhos e cabelos marrons. Sua comida favorita é comida brasileira. Eu amo a minha mãe porque ela é linda e porque ela come comida.”

Eu ri muito. Ainda bem que eu como comida, né? O Thomas tem meio que uma fissura por comida, cozinhar, essas coisas, mas não pensei que esse tópico fosse tão relevante. Nos divertimos na cozinha e isso com certeza deixa uma marca. Engraçado ele dizer que a minha comida favorita é a brasileira, porque é ele quem pede por “brazilian food” quase todos os dias. Tem coisa melhor que bifinho com feijão e arroz? E ele tem sangue nordestino mesmo, porque adora uma farinha e banana com a comida, do jeitinho que o bisavô José dele fazia quase todos os dias.

Agora você pergunta o porquê dele ter dito que meu nome era Mamãe. Do outro dia (há séculos atrás) ele começou a me chamar de Luciana, mas eu disse brincando: “pra você, meu nome é mamãe”. E assim ficou.