Procurando uma casa

Normalmente essa é a melhor parte: ver casas estalando de novinhas, imaginar móveis novos, decoração… Mas dessa vez nós estamos tão tristes porque gostamos muito da nossa casa e depois de todo o trabalho investido nela, não queríamos ter que mudar tão cedo. O que estava pegando há alguns meses, era toda essa confusão da distância de tudo e principalmente saber que a gente ía estar longe à beça do Thomas durante todo o dia.

Sinceramente, essa não é a melhor época pra se mudar.. as casas não estão vendendo direito, então nem têm muita casa boa no mercado. Nós não queríamos ter que pagar mais, mas fica difícil já que estamos indo pra mais perto de tudo e as casas são mais caras, o que nos deixa duas opcões: casas menores ou casas mais velhas. Com todo o stress de universidade e tal, eu escolho a casa menor a qualquer hora porque não tô com pique de ter que que arrumar casa mais velha, apesar de eu sinto um prazer enorme de fazer isso. Até porque não queremos ficar muito tempo na casa que estamos vendo agora – quero sim, poder construir a nossa casa (nosso sonho) do jeito que a gente quiser quando eu me formar. Eu não digo comprar uma casa de nova construção como foi essa que estamos morando hoje, mas mandar fazer uma planta com um arquiteto e escolher tudinho mesmo, até o terreno.

Mas agora, procurando uma casa semi-temporária faz a decisão mais difícil, ou mais fácil dependendo de como você vê. Nós não estamos tendo nenhuma pretensão em arrumar algo permanente, então isso tira um grande peso das nossas costas. Nós não vamos ter tempo pra muita coisa, então dane-se se não tiver jardim grande. Não precisamos de tamanho, mas de qualidade. Mesmo assim, tivemos a grata surpresa em achar uma casa ideal, mas que nós acabamos perdendo: lugar que queríamos, enoooorme, lindinha e tinha sido construída em 1999. Bom, tinha um jardim micro, mas tinha porão acarpetado gigantesco, uma cozinha maravilhosa e uma varanda com vista legal. Será que algo assim vai aparecer de novo? Não temos todo o tempo do mundo pra ficar esperando uma aparecer e sabendo que as melhores casas aparecem na primavera e não agora, vai ser difícil esperar.

Ontem de noite fomos ver uma outra casa na mesma região. Construtor conceituadíssimo, 2 aninhos de idade, num lugar ótimo, lindíssima por dentro e com um vizinho com uma cadela da mesma raça da Gwen que veio trotando falar com a gente assim que a gente chegou. Problemas? BEM menor do que a nossa casa atual. Tem a cozinha maior e a sala de estar também, mas não tem family room e não tem escritório. E agora, José? Onde vamos colocar nossas tralhas?

Cara, acho que essa está sendo uma das épocas mais difíceis desde que eu vim morar aqui. Ter tantas coisas em jogo e não saber o que fazer pra enxergar com clareza o que devemos fazer. Com as responsabilidades do Robert aumentando no trabalho e eu tendo que ficar o dia inteiro fora entre estágios e sala de aula, ambos longe pra caramba do Thomas, não nos deixa muitas opções… já me estressei tanto por causa disso que já pensei em até largar a faculdade pra não ter que me mudar, pra fazer a vida da família melhor. Sentar e ter filhos e viver no meu mundinho suburbano, levando o bebê pro parquinho e indo levar o Thomas pra alguma prática de esporte. Mas não, no momento me sinto um desastre em ser egoísta e querer isso pra mim, com a desculpinha esfarrapada que isso vai ser melhor pra todos nós quando eu me formar. E vai. Mas a que custo.