Preparando o 4 de Julho

Esse 4 de Julho a gente não ía fazer nada especial. Íamos ficar no nosso quintal mesmo e talvez ver os fogos num parque aqui perto. Mas enquanto arrumavamos a garagem hoje de tarde, nossos vizinhos foram aparecendo e perguntando o que íamos fazer. Parece que ninguém tinha resolvido nada até então e combinamos que faríamos juntos de novo como nos anos anteriores. Ano passado eu tinha comprado um Gazebo – aquelas “barracas” – pra nos proteger do sol, porque meu backyard bate o sol da tarde e é terrível. Fiz um churrasco à brasileira, porque eu só tinha chamado dois casais de amigos brasileiros, mas acabou que os vizinhos compareceram e fizeram graça dos corações de galinha.

Esse ano tivemos a brilhante idéia de fazer no churrasco na FRENTE da casa. Não sei que teve a idéia, mas com certeza é melhor ser chamado de redneck do que padecer no sol escaldante. Na frente da casa é tão, mas tão mais agradável, que justifica e muito. Serão 4 famílias no total, o nosso grupinho de vizinhos de porta e a casa da frente. E a nossa rua é tão calma, que a vergonha vai ser menor.

Eu gosto de dias como hoje. Trabalhamos arrumando os jardins e a garagem a manha inteira, enquanto um casal de faxineiros limpavam a nossa casa por dentro, e depois sentamos na nossa grama na frente da casa. Os vizinhos foram chegando, sentando, a criançada brincando, a cachorrada solta, jogamos vôlei na rua, o caminhão de sorvete passou, mais vizinhos chegando, rolou um futebolzinho (soccer mesmo), papo sobre a copa do mundo, todo mundo trazendo cadeira pra sentar ou então deitando na grama em círculo, e eu peguei até uma corzinha – hoje o dia estava lindo. Acho que vai ser ainda melhor na terça, já que vai ter comida presente he he he. Achei engraçado que duas pessoas diferente me perguntaram se eu ía trazer as coisas brasileiras maravilhosas que eu cozinho. Assim mesmo. Da primeira vez foi o Mike que perguntou e eu já tinha cozinhado um banquete de Natal inteirou pra eles (lembram, quando a Emily nasceu 2 dias antes do Natal?) então eu não achei tão estranho, mas fiquei surpresa que acharam que era tão maravilhoso assim. Da segunda vez foi o Rick, que mora na casa em frente, mas ele só comeu a minha comida uma vez justamente no 4 de julho de ano passado. E olha que a farofa queimou e quanto eles chegaram ja estava tudo meio frio, e o que era frio estava quente. Eu olhei pra todo e perguntei se era uma pegadinha. Tá bom então, espero que esse meu toque de Midas funcione na terça-feira.

Mike, Liz com a pequena Isabella, e Sydney comprando sorvete, Thomas segurando a bandeira.

Mike em pé, Julie grávida, de costas Megan e Sydney. Liz com Isabella no colo, Thomas e Emily tomando picolé. Art e crianças do outro lado da rua.

Mike, Emily e Thomas brincando na grama.

Thomas olhando pra outras crianças que se juntaram a nós mais tarde.