Horror

Eu nao ía falar nada, porque tem muita gente da minha família que lê meu blog e isso pode fazer doer mais. Mas eu não consigo deixar isso dentro de mim, porque tenho funcionado nos últimos três dias como se estivesse debaixo d’água, com a respiração presa.

No sábado de manhã recebi a notícia que uma pessoa da minha família foi assassinada. Tia Neuza.

Uma senhora que já não andava por causa da artrite severa. Seus dedos das mãos e dos pés eram duros há anos. Precisava morar com uma enfermeira.

Dois homens “invadiram” cerca de 4:30 da manhã a casa onde tia Neuza morava em Sepetiba, em busca de mil reais que ela tinha recebido dois dias antes. A mataram na cama com pauladas, desfigurando-lhe a cabeça.

A “enfermeira” “escapou” com cortes no rosto e mãos amarradas e foi parar no vizinho, que conseguiu ligar pra minha mãe e dar a notícia. E vocês sabem onde estou querendo chegar. Eu espero que investiguem direito esse papo da enfermeira.

E eu estou aqui em choque, horrorizada, sem conseguir fazer nada, até chorar hoje na faculdade, chorei. Não via tia Neuza há anos, mas imaginar que uma brutalidade dessa aconteceu com uma pessoa indefesa, na cama, é demais pra mim.

Não tenho lições pra dar sobre isso, nem conselhos. Só queria tirar isso de dentro de mim, mas suspeito que não vai ser o suficiente.