Cartas de Referência

Uma das coisas mais complicadas – pra mim – é conseguir cartas de referência para dar entrada na minha papelada do doutorado. Todas as universidades pedem 3 cartas de referência e sem elas você simplesmente nem é considerada.

Os professores que eu conheço bem, ou são dos dois primeiros anos de faculdade e não têm muito peso, ou são de matérias que eu tirei uma nota menos do que estelar. Meu GPA de 3.5 (que no Brasil é o CR de mais ou menos 90%) é adequado, mas está na média dos aplicantes para doutorado, só que eu ainda não consegui combinar turma pequena com professor cascudo. Os professores cascudos dão aulas pra turmas de 300 a 600 alunos, e existem muitas matérias que cada dia é um professor diferente – um saco! Ou ainda, existem matérias de laboratório (boas porque são pequenas e você conhece bem o professor) que são dadas por TA’s, ou seja, estudantes de doutorado e essas cartas também não valem muito.

Eu estou tendo muuuuuuuuita sorte nesse laboratório que eu estou trabalhando agora. Além de ser um ambiente descontraído e das pessoas serem ótimas, eu cheguei lá já fazendo pesquisa como undergraduate researcher, em vez de ser assistente que era o que eu pensava que ía fazer. Acabou que eu estou ficando tanto tempo lá que eu já aprendi muita coisa que eu nem precisaria fazer, mas também foi como um curso intensivo de tudo o que eu preciso fazer para escrever a minha monografia, e o tempo é curto, curtíssimo. A parte boa é que eu trabalho diretamente com dois professores da universidade e três pós-doutorandas que estão me ajudando muito na minha pesquisa – que vai ser publicada eventualmente, só espero que seja antes das minha entrevistas com as universidades! No entanto, não seria meio que uma trapaça pedir cartas de referência pra mais de uma pessoa de lá? Trapaça pode não ser, mas cartas de referências de lugares diferentes com certeza teriam mais peso, ou pelo menos demostrariam toda a minha well-roundedness, que quer dizer um interesse, ou um balanço em todas as áreas (até na vida pessoal) em vez de ser uma pessoa focada em apenas um aspecto científico.

Assim, fico meio sem opção: tem muita gente que pode e quer me dar cartas de referência, mas não tem muita gente que vai me dar uma carta de peso, pelas qualificações delas (ou seja, pelo menos que sejam professores publicados) E eu tenho muito pouco tempo, pois pretendo aplicar em novembro ou início de dezembro, e só tenho mais duas matérias de ciências para cursar antes disso…

… e pra me deixar mais nervosa (a preocupação com as cartas de repente se tornou tão mínima…): acabei de receber um email do nosso chefão dizendo que vamos ter dois novos professores de anestesiologia na nossa reunião semanal e eles estão pesquisando os mesmos vermezinhos que eu, então ele quer que eu faça uma apresentação pra todos sobre a minha pesquisa…

 

 

 

 

… fodeu, já estou tremendo.